Materiais Eficientes Energeticamente



Se os arquitetos estão tentando atingir o Architecture 2030 Challenge ou buscando sua própria missão para economizar energia, eles têm a oportunidade de projetar edifícios que podem limitar as emissões de carbono e serem resilientes contra a mudança nas condições climáticas.






Para ajudar os arquitetos a atingir suas metas, uma nova onda de química e ciência dos materiais está trazendo materiais inovadores e sistemas construtivos para o mercado. De espumas de isolamento avançadas a revestimentos de paredes, esta próxima geração de materiais de alto desempenho ajudará a acelerar projetos energeticamente eficientes.
Saiba mais sobre alguns dos materiais de alta performance da atualidade e do futuro próximo.



1. Janelas mais inteligentes se ativam com nanotecnologia


Pesquisadores da Universidade de Princeton preveem que janelas inteligentes poderiam economizar até 40 por cento em custos de energia. Os pesquisadores desenvolveram um novo tipo de janela inteligente que controla a quantidade de luz e calor que entra no edifício e é auto-alimentada por células solares transparentes na própria janela. A tecnologia é depositada em um vidro como uma película fino, e pesquisadores estão trabalhando para desenvolver uma versão flexível que poderia ser facilmente aplicada à janelas existentes. Eventualmente, os proprietários e gestores dos edifícios poderiam usar um aplicativo em seu telefone para ajustar a quantidade de luz solar que passa através de uma janela ao longo do dia para ajudar a economizar nos custos de aquecimento e resfriamento.

2. Engenhosos produtos de madeira atingem novos patamares


Pense em impressionantes e arrojadas vigas curvas em edifícios mais altos de madeira. Os painéis de madeira laminada (Cross-laminated timber - CLT) são relativamente novos para arquitetos e podem ser usados para ajudar a atingir esses objetivos de projeto. CLT oferece certas vantagens em termos de eficiência energética quando comparado à madeira. CLT também pode ser feito em dimensões de até 10 pés de largura (3,04 metros), 40 pés de comprimento (12,19 metros) e mais de um pé de espessura (0,30 metros). Com produtos de madeira engenhosos, as fibras de madeira reforçam a peça serrada, tornando-a potencialmente mais forte do que 100 por cento de plástico reciclado. Além disso, o plástico funciona como uma barreira externa que protege a madeira do apodrecimento. Em comparação com aproximadamente apenas 63 por cento de uma árvore que pode ser usada em uma peça de madeira sólida, painéis compostos permitem que mais de 95% da árvore seja usada.

3. Painéis isolados estruturais (SIPs) 


Os principais componentes das placas SIPs, espuma e OSB, levam menos energia e matérias-prima para produção do que outros sistemas construtivos estruturais. E enquanto profissionais da construção já contam com o SIPs para eficiência energética, novos avanços nos painéis irão aumentar o isolamento em toda a envoltória do edifício. Por exemplo, alguns fabricantes agora produzem painéis com isolamento de poliestireno de grafite (GPS), facilmente reconhecidos pela sua cor cinza e que ajudam a aumentar o isolameno, às vezes em mais de 20%. Em alguns casos, profissionais da construção e arquitetos podem especificar painéis mais finos, que ainda cumprem os requisitos de código de energia. Os SIP também podem auxiliar arquitetos na obtenção da certificação LEED Platinum e dos padrões Passive House.

4. Painel de isolamento a vácuo (VIP) proporcionam benefícios para residências menores e pequenas casas



Tendências estão mostrando que casas americanas estão ficando menores e os VIPs podem oferecer uma solução efetiva e econômica para o isolamento. VIPs compreendem um material de núcleo poroso em um envelope de ar. O ar preso nestas camadas é evacuado e o envelope é, então, termicamente selado. 

O material do núcleo evita que os painéis de isolamento se desintegrem quando o ar é removido. O Conselho Nacional de Pesquisa do Canadá (NRC) tem monitorado e analisado esses painéis de isolamento de cobertura durante cinco anos nas instalações do NRC, descobrindo que alguns VIPs manterão mais de 80 por cento de seu desempenho térmico após 30 anos.

5. Iluminação natural atinge um impulso em eficiência


Revestimentos de parede são parte importante do impacto visual de um edifício e também sua pegada ambiental - a ponte térmica é uma das principais causas de perda de energia em um edifício. Para alcançar as necessidades de iluminação natural e eficiência energética, por exemplo, chapas de policarbonato preenchidas de nanogel podem ser usadas em paredes e forros translúcidos em um novo tipo de sistema multicamadas. Além disso, a energia utilizada para extrudar chapas de policarbonato é geralmente uma fração daquela para fabricar vidro. As folhas de policarbonato também são duráveis - 250 vezes mais resistentes ao impacto do que o vidro e praticamente inquebráveis. São testadas para executar de -40 a 120ºC (-40 a 240 F) e podem resistir a condições mais extremas, como tempestades de vento, granizo ou neve. O nanogel isolante que é usado para preencher as chapas de policarbonato consiste em polímeros sintéticos ou biopolímeros que são quimicamente ou fisicamente reticulados para auxiliar na eficiência energética, o que pode garantir uma construção de até 50 por cento de economia em energia comparado a monocamada do vidro.

6. Painéis de parede que economizam energia

Construir novas casas requer uma multiplicidade de materiais, muitos dos quais não serão completamente usados e exigirão a eliminação de resíduos. Uma nova geração de painéis para componentes moldados pré-fabricados a edificações potencialmente oferecem um exemplo de uma solução eficientemente energética. Esses painéis alternativos podem exigir 40 por cento menos usos de madeira e podem potencialmente gerar 98 por cento menos de resíduos. Este novo tipo de parede em painéis substitui o revestimento exterior tradicional com uma combinação de isolamento contínuo de poliisocianurato (polyisocyanurate) no exterior e espuma de poliuretano (SPF) na cavidade da parede, ambos os quais são instalados fora do canteiro. O isolamento contínuo, com juntas de fita, também funciona como uma barreira resistente a intempéries, o que pode eliminar a necessidade de certos materiais, como o revestimento da casa.

7. Sistemas de cobertura vegetal (também conhecidos como telhados "verdes") oferecem resistência a longo prazo


Muitos arquitetos estão conscientes de que os sistemas de telhados verdes podem manter a água fora de um edifício, reduzir o escoamento das águas pluviais, reduzir o esgotamento dos sistemas de esgoto urbano e diminuir a poluição relacionada ao escoamento nos cursos d'água. Talvez o que é menos conhecido é como certos sistemas podem prolongar a longevidade de um telhado e, por sua vez, aumentar a eficiência energética ano após ano. Como? As membranas impermeabilizantes utilizadas em sistemas de telhados verdes incorporam uma ciência material de PVC que protege um telhado dos efeitos de raios ultravioleta e temperaturas extremas que normalmente fazem com que um sistema de telhado se contraia e expanda. Muitos desses telhados verdes já estão no local há mais de 30 anos, de acordo com o Whole Building Design Guide. Um novo e grande telhado verde urbano pode potencialmente capturar até 17.000 galões de água pluvial por tempestade, ou 1.819.000 galões por ano. A água da chuva capturada pode então ser usada para regar as plantas, reduzindo a necessidade de irrigação em até 50 por cento.

8. Impressões 3D inovadoras melhoram o desempenho térmico
Em breve, elementos exteriores de edifícios poderão ser impressos por impressoras 3D em larga escala para maximizar a eficiência. Pesquisadores holandeses recentemente testaram essa ideia, usando um sistema de fachada impresso em 3D para otimizar o desempenho térmico de um edifício. Este sistema é conhecido como Spong3D, e é rígido, porém leve. Pesquisadores acreditam que o novo material integra múltiplas funções para otimizar o desempenho térmico de acordo com diferentes condições climáticas ao longo do ano. Funciona integrando cavidades de ar para isolamento térmico e canais nas superfícies externas da fachada que armazenam massa térmica móvel. Spong3D está em estágio de testes do conceito e a pesquisa é promissora.

À medida que os arquitetos se esforçam para um futuro eficiente energeticamente, a indústria de fabricação química continuará a inovar materiais de alto desempenho para atender a demanda. Para saber mais sobre como a química contribui para materiais inovadores, visite o site do Conselho Americano de Química (American Chemistry Council).
Fonte: archdaily.com.br

Coral Design



Inspire-se nessa linda cor pantone 2019

Ano de Cores Quentes, aposte em contrastes...

















Clínicas Decor


Muitos ainda são os  modelos préconcebidos de clínicas e hospitais que temos em mente,  muitas salas e espaços  frios. Porém, há alguns anos vem ocorrendo uma nítida mudança em clínicas e consultórios, no quesito decoração, qualidade de vida e bem estar dos pacientes. As técnicas usadas por decoradores e designers de interiores são: cromoterapia, cores e  texturas que remetem à natureza, que nos acolhe e gera um bem estar em nosso organismo e sem dúvida uma iluminação adequada.



Vejamos alguns bons exemplos de clínicas ao redor do mundo que já veem inovando em sua decoração.

Opções como introduzir natureza no espaço são uma excelente alternativa: plantas, madeira e uma fonte de água, um conjunto de fatores que influenciam no bem estar geral das pessoas.


Texturas neutras, iluminação mesclada quente e fria, um mobiliário adequado, sugere uma preocupação com a elegância e sofisticação.


Muitos profissionais optam por suas clínicas, por não parecerem  como tais, e sim como espaços de bate papo descontraído e acolhedor, como ocorre com psicólogos, nutricionistas e terapeutas. As cores neutras são a base e as cores ficam mesmo em pequenos detalhes, mas que fazem toda a diferença.


Espaços lúdicos e descontraídos, cores alegres fazem do espaço remeter à uma grande brincadeira.


Se for para manter uma certa formalidade, que tal um tom escuro na madeira, iluminação mais intimista, porém com modernidade e sofisticação.


Muitos profissionais preferem o branco e uma iluminação fria, para dar o aspecto de limpeza e claridade, porém não deixam de lado a elegância, logo, as cores escuras ficam por conta de móveis e objetos decorativos


Cores quentes são usadas de forma pontual, iluminação adequada e cores neutras no geral.




Uma clínica de estética contemporânea e cheia de modernidade.....








Decora Interi  www.decorainteri.wix.com/decorainteri
















Reformar ou Construir ??? Gerenciando Obras


Desde a escolha do terreno até a execução da obra, a construção deve ter planejamento e organização adequados, de forma a otimizar os custos. Existem alguns cuidados que devem ser levados em conta antes de iniciar uma obra, afinal cada etapa requer cuidados específicos. Veja resumidamente algumas dicas: 


Terreno 

Escolha, de preferência, um terreno plano, pois isso representará grande economia com deslocamento de terra, fundações e estruturas de concreto, além de eliminar os custos com contenções de arrimo. 

Não inicie as obras de terra como terraplanagens e cortes antes dos projetos de arquitetura e estrutural estarem prontos e sem a orientação de um engenheiro, pois isso pode ocasionar perda de tempo e dinheiro com serviços desnecessários. O projeto arquitetônico é fundamental para tirar proveito da topografia e dos acidentes naturais do terreno e assim realizar um projeto adequado para ele. 


Projeto 

É indispensável investir na contratação de um engenheiro civil, para que se tenha um projeto bem elaborado. Os erros durante a execução que podem ocorrer pela ausência de projetos representam custos elevados. 

Esteja preparado para diversas reuniões com engenheiro e arquiteto da obra, fornecendo todos os detalhes de sua vida diária e hábitos, de maneira que o projeto seja bem adaptado ao seu estilo de vida. Projetar cômodos especiais, como piscina ou sala de ginástica, por exemplo, somente são viáveis economicamente se forem usados, de outra forma irão encarecer a construção. 



Revisar o projeto e esclarecer todas as dúvidas até o fim é um bom procedimento. É muito mais fácil e barato solucionar erros e pedir mudanças na fase do projeto do que durante a obra. 

Não esqueça que o projeto deverá ser aprovado pelos órgãos competentes (Prefeitura, CREA, etc.) antes de iniciar qualquer movimentação na obra. 


Planejamento 

Após o projeto estar completamente definido é necessário um planejamento da obra: elabore uma planilha em conjunto com o profissional responsável pela obra para registrar a ordem de execução dos serviços e duração e custo de cada fase. Isso evita gastos com mão-de-obra e/ou materiais não necessários no momento. 

O fluxo de caixa dever ser controlado para não correr o risco de parar a obra por falta de dinheiro. É importante anotar na planilha todos os gastos e, além disso, guardar sempre recibos e notas fiscais, pois eles serão úteis para declaração dos Impostos e para eventuais problemas legais. 

Ainda deve-se anotar na planilha, mesmo que os materiais de acabamento ainda não tenham sido escolhidos, especificações dadas por quem fez o projeto, como tamanho, espessura, tonalidade, classe de abrasão e nível de absorção de água das cerâmicas, o mesmo valendo para outros ítens, como madeira e carpete. Isso economiza tempo na hora de pesquisar e comprar. 


Contratação de mão-de-obra 

A preferência deve ser por profissionais conhecidos ou indicados por amigos ou parentes. É indispensável verificar alguns trabalhos já realizados pela equipe e pesquisar com os contratantes como foi a qualidade do atendimento e do processo construtivo contratado. 

Uma outra dica é determinar uma forma de pagamento baseada na produção, estabelecendo assim que o pagamento da mão-de-obra ficará condicionado ao cumprimento de determinadas etapas e prazos. Deve-se formalizar tudo através de contrato. 

Vale a pena consultar órgãos competentes como, por exemplo, a Defesa do Consumidor para verificar a idoneidade do construtor e da empresa que ele representa. 

Compra de materiais 

Na compra de materiais, realize orçamentos em lojas de materiais de construção e dependendo do tamanho do empreendimento, vale a pena consultar diretamente os fabricantes. A pesquisa deverá levar em conta os parâmetros estabelecidos pelo profissional que elaborou o projeto, tentando achar a melhor relação entre qualidade e preço (não esquecendo que, além do custo de construção, há também custo de manutenção, ou seja, materiais de baixa qualidade só serão economia a curto prazo). 

Uma dica importante neste item é, se possível, fechar um pacote para a compra de uma grande quantidade de materiais numa única loja e, assim, negociar um desconto ou o pagamento a prazo. A pechincha é regra básica. 

Na parte de pisos e azulejos, considere uma margem de aproximadamente 10% a mais nas quantidades do projeto para cobrir quebras e consertos futuros. 

Os materiais adquiridos deverão ser de qualidade para não comprometer a durabilidade do empreendimento. Uma boa dica é adquirir produtos somente com selo de qualidade e de fabricantes certificados por órgãos competentes que garantam todo o processo de sua produção. 

Estocagem de materiais 

Deve-se sempre observar o prazo de validade dos materiais. Uma regra básica é que o produto que está no estoque há mais tempo, deverá ser o primeiro a ser consumido. 

A armazenagem deverá obedecer ao cronograma da obra, pois uma quantidade grande e na hora errada atrapalha o fluxo da obra, bem como gera gasto desnecessário. 

Os materiais devem estar protegidos da chuva, vento e outras intempéries. Siga a regra de estocagem estipulada pelos fabricantes, geralmente presente na embalagem dos produtos. 

Execução da obra 

Apesar de existir um planejamento e comprometimento entre contratante e contratada, exija organização no canteiro de obras. Bagunça, entulhos, ferramentas e materiais desorganizados, tábuas com pregos, etc. são sinônimos de desperdícios, acidentes e custos elevados. 

A execução da obra deve ser acompanhada diariamente pelo engenheiro responsável e contratado para esse fim. Qualquer erro na execução dos serviços pode resultar em custos elevados e atraso no cronograma da obra.

O projeto deve ser seguido à risca. Qualquer alteração deverá ser comunicada ao engenheiro residente, que verificará a possibilidade da alteração sugerida. 

Planejamento, comprometimento e qualidade são a regra básica. Se todos os envolvidos no processo de construção tiverem consciência destes requisitos, o empreendimento, seja ele de pequeno, médio ou grande porte, será concluído com sucesso. Fonte:www.cimentoitambe.com.br 

Retrofit Elétrico nas Instalações Elétricas




O Retrofit difere substancialmente da simples restauração, que consiste na restituição do imóvel à sua condição original, ou da reforma, que visa à introdução de melhorias, sem compromisso com suas características anteriores 

 Surgido na Europa e nos Estados Unidos, o Retrofit tem o objetivo de revitalizar antigos edifícios, aumentando sua vida útil, por meio da incorporação de tecnologias modernas e utilização de materiais avançados.
Nesses países, a rígida legislação não permitiu que o rico acervo arquitetônico fosse substituído 


 I
Isso abriu espaço para o surgimento do Retrofit, que preserva o patrimônio histórico, ao mesmo tempo em que permite a utilização adequada do imóvel.



No Brasil, a demanda para o Retrofit aumentou nos últimos anos não apenas por causa da preocupação crescente com o patrimônio histórico, como também por ser uma opção de conservação e melhoria do patrimônio em áreas de potencial construtivo esgotado, como as regiões centrais de algumas metrópoles. 



Por outro lado, além de ter custos mais atraentes em relação à construção, na maioria dos casos, o Retrofit também apresenta vantagens em relação à reforma ou restauração, pois combina características destes dois, trazendo avanços tecnológicos sem desfigurar os projetos arquitetônicos originais. 

Quando fazer 

O SECOVI-SP indica duas situações básicas em que o Retrofit é aplicável: 

Quando a recuperação reduz custo em comparação a uma construção nova 

Quando, no caso de uma edificação histórica, essa intervenção cria condições para novas funções e facilita o seu uso 

Em qualquer uma dessas situações, o Retrofit tem o sentido da renovação, diz o SECOVI, onde o Retrofit exige que se encontrem soluções integrais para as fachadas, instalações, elevadores, proteção contra incêndio e outros itens 

O Retrofit deve buscar a eficiência, pois é mais difícil do que iniciar uma obra, por conta das limitações físicas da antiga estrutura 

A redução do prazo e a adequação geográfica do imóvel servem de estímulo à adoção dessa prática.


Tipos 

Medidas que levam em conta o conceito de Retrofit: 

 Atualização da edificação com sistemas de segurança, informática e telefonia 
Muitas empresas e condomínios têm optado em fazer o retrofit da parte elétrica e eletrônica de seus andares utilizando um piso elevado, em vez de colocar os cabeamentos pelo forro. Segundo as fontes consultadas, o resultado é melhor esteticamente, pois os fios ficam menos à mostra, e também facilita os trabalhos de manutenção e instalação dos equipamentos. 


Instalação de ar-condicionado central e sistemas de iluminação 
Também pensando na parte estética da reforma, algumas empresas têm instalado um forro de gesso para esconder as instalações de ar condicionado, juntamente com os fios da iluminação. 

Reforma da portaria, hall e elevadores 
Também com finalidade estética, tem o objetivo de valorizar o patrimônio. Uma simples troca na decoração do hall, no entanto, não constitui o Retrofit. Retrofit não é maquiar os defeitos, mas melhorar e aprimorar as instalações de uma edificação. 


Programação dos andares 
Pode ser tanto visual (estética) quanto uma redistribuição da área construída. Nesse último caso, em que se divide um andar, por exemplo, em várias salas ou apartamentos, constitui-se um Retrofit com alteração de planta ou projeto. É necessária a aprovação da nova planta na prefeitura. 

Modernização da fachada 
Pode ser feita uma alteração radical, como a colocação de estruturas metálicas ou a troca de vidros e janelas. Alterações mais simples, como a mudança da pintura ou a troca de tintas por pastilhas (e vice-versa) também podem ser consideradas Retrofit. O objetivo dessas intervenções é estético e pode gerar a valorização do imóvel. Para alterar a fachada é preciso aprovação da prefeitura local. 



Outros tipos de Retrofit 

- Instalação de sistemas de prevenção e combate a incêndios; 
- Catracas com sistemas digitais de identificação (informatização de dados cadastrais dos usuários para melhor controle de entrada e saída de pessoas). 
- Caixilhos de madeira são tratados ou substituídos por alumínio ou PVC, por permitirem vedação perfeita, diminuírem o barulho externo e exigirem pouca manutenção; 
- Substituição de fusíveis por disjuntores.    Fonte:www.sindiconet.com.br

Arquitetura e Design Biofílicos


Contrapondo-se ao processo de urbanização sem medidas, tornando os grandes centros urbanos em verdadeiras ilhas de concreto, surge a Arquitetura Biofílica.

Mais do que uma concepção paisagística de jardins e parques urbanos, a Arquitetura Biofílica ou Design Biofílico, focam na integração entre as áreas verdes e o ambiente construído, entre a vida no interior de um edifício e o ambiente externo.


Essa conexão entre natureza e espaço construído nos faz muito bem! 
Visualizações da natureza melhoram a cicatrização. A luz natural promove uma melhor aprendizagem. Há um nome para isso, criado pelo famoso biólogo E. O. Wilson: Biofilia.

Biofilia propõe que estamos unidos de maneira inata à vida e ao mundo natural porque somos parte dele.

Estudos comprovam que 10% das ausências de colaboradores podem ser atribuídas à arquitetura sem conexão com a natureza.

Pesquisadores descobriram que a qualidade de visão dos colaboradores em seus escritórios, interfere  significativamente,  a forma como eles se comportam no trabalho.

Comparou-se no ano, o tempo de licença por motivo de doença tomado por colaboradores com visão de árvores e paisagem, sem visão externa nenhuma e com uma visão urbana.
Os colaboradores com visão de árvores e paisagem tomaram uma média de horas de licença, por motivo de doença, a menor em 16%, comparada com a tomada pelos profissionais sem visão externa nenhuma.

Outras formas de simular a integração homem-natureza:

- Uso de paredes e pisos naturais;
- Decoração com plantas de interiores, como parklets;
- Telhados verdes;
- Fontes e espelhos d´água.
Além disso, o estudo descobriu que a qualidade da visão de uma pessoa foi o principal indicador de absenteísmo.
Portanto, o acesso das pessoas ao cenário natural está significativamente correlacionado com a satisfação no trabalho, saúde e produtividade.
fonte: Universidade de Oregon, Estudo de Elzeyadi   2018

O convívio com a natureza traz bem-estar e produtividade aos ambientes e às pessoas, logo, a Arquitetura Biofílica é utilizada para criar uma correlação entre satisfação no trabalho, saúde e produtividade, incorporando a natureza aos ambientes corporativos e inspirando a todos os colaboradores.


Segundo o relatório Human Spaces, aqueles que trabalham com elementos naturais têm 15% mais produtividade e 6% mais criatividade, isto é, incluir plantas, luz natural e outras opções naturais ao design dos escritórios, podem incorporar grandes mudanças no ambiente corporativo: funcionários mais criativos, aumentando a eficiência e tornando-os mais satisfeitos.

MAIS VISITADAS !!